Monthly Archives

junho 2013

Receitas

Não-Gordice: Sopa pá nói!

Nesse climinha frio, não são só quitutes banhados em chocolates que caem bem. Sopa também é uma ótima pedida e, pasmem, eu sei fazer canja!

Foto: Instagram da Cerejeira

Rá! Não esperavam por essa, não é?!

É bem rapidinha de fazer, cerca de 40min desde a preparação até que ela esteja completamente pronta.

Ingredientes:

1 peito de frango grande sem pele e sem osso
Pimenta-do-reino (a gosto) para temperar
2 folhas de louro
1 colher sopa de óleo
1 xícara de arroz
2 batatas medias (raladas ou cortadas em tiras, como preferir)
2 cenouras médias (idem item acima)
2 caldos de galinha
1 xícara de cheiro verde picado
2 tomates maduros picados
2 cebolas picadinhas
2 colheres de sopa de extrato de tomate
Água o suficiente

Modo de Preparo

1. Em um panela de pressão doure a cebola no óleo
2. Junte o frango picado e deixe refogar
(Obs: Eu não tempero o frango antes, porque ele acaba pegando direto da sopa, mas vai do gosto)
3. Junte os tomates, o caldo de galinha, o arroz lavado, as batatas, as cenouras, o extrato de tomate, o cheiro verde, as folhas de louro e a água
5. Tempere à gosto com sal e pimenta do reino.
4. Tampe a panela deixe cozinhar por 20 minutos
Sirva com vinho!

Cereja no Mundo

Há um ano…

Em 27 de junho de 2012 deixei o Brasil rumo à Espanha. Ou seja, já faz um ano.

Há um ano eu partia para o que seria o divisor de águas da minha vida. Fui e ainda espero o meu retorno completo.

Saudade” é a palavra do dia e será a sensação do mês que está por vir.

Não vou escrever mais. Vou guardar para mim o gostinho das lembranças. Só queria deixar registrado que há um ano eu conheci um novo mundo, um novo país, uma nova eu.

Hora de rever os posts relacionados a viagem:

27/06/12 – É hoje!
29/06/12 – Primeiras impressões de Madrid
01/07/12 – Museu del Prado, Jardim Botânico e Parque del Retiro
03/07/12 – Parque Warner e Estádio Santiago Bernabeu

05/07/12 – Tour em Madrid
09/07/12 – Barcelona

13/07/12 – Compras em Madrid
16/07/12 – Valência
19/07/12 – E o curso, afinal?
21/07/12 – Bounjour, Paris!
24/07/12 – Os marcos de Paris
26/07/12 – Mais de Paris, frustração de Versailles e outros
29/07/12 – Fim de Viagem

Textos

Lista dos seus (quase) contra

Eu preciso dizer que tô gostando de você. Assim… Só um pouquinho, nada demais. Eu sei que tínhamos combinado em não deixar isso acontecer, mas convenhamos: Sabíamos que, cedo ou tarde, não ia dar mais para evitar (e até desconfiávamos que eu seria a primeira).

Mas, não se preocupe, já estou trabalhando para reverter a situação. Vai soar bobo e ineficaz, mas arranjei um método simples que pode funcionar: Anotei todos os seus defeitos que me irritam. Alguns até grifei naquele amarelo de doer os olhos para dar mais destaque.

Por exemplo: Detesto o seu filme favorito. Como você pode gostar daquele humor tão fanfarrão? Piadinhas sem graça te fazem gargalhar… E quando você ri, você aperta os olhos… E fica lindo. Er, acho que não era esse o foco, né? Enfim: Não gosto do filme. Ponto.

Outra coisa que me tira do sério é quando você assiste futebol. Veste a camisa do time ou da seleção e vira outro. Se exalta com facilidade. Nunca o vi ficar tão raivoso e tão cheio de manias. Se o time perde, é o inferno astral mais insuportável que eu conheço. Nem a minha TPM é páreo. Mas, se o time ganha… Você vem eufórico nos abraços e comemora como se fosse Ano Novo. Me põe em seus braços e não me larga, como se eu passasse a ser o uniforme que veste.

Mas, NÃO! Não gosto quando você assiste futebol.

Não é todo dia que recebo mensagens suas. Me irrita ficar na expectativa e fico pensando se devo ou não puxar a conversa. Resisto todas as vezes. E, de repente, como se você soubesse que não suporto mais esperar, o celular se manifesta. Fico vermelha na hora, com sorriso bobo. Acho que é bom não receber recadinhos assim todo santo dia. Evita a rotina e a mesmice. Surpresas são boas, não são?

Ahm… Enfim!

Você acha que canta bem. Desculpa, baby, mas não dá pra aguentar você desafinando mais que ganso novo. O violão até que é bem manejado, mas quando você decide cantarolar junto… Consegue estragar músicas que eu adoro. Se bem que… ah, é fofo quando você dedica um canção pra mim. Fico tão concentrada nos seus olhos e nas palavras que nem ligo para afinação.  

Opa! Eu fiz de novo, né?! Próximo item da lista!

Você rói as unhas. Eca. Mas, que homem não faz isso? Outro argumento que também segue a mesma lógica é que você faz de tudo para provar que tem razão. Coisa de homem. Ah, e também tem o fato de ser meio infantil às vezes.

Três itens riscados… Outros quatro perdoáveis e.. ei, acabou?! Essa era a lista toda?

Ih, então acho que não está dando certo, no fim das contas…

Eu gosto de você. Azar o meu.

Foz

O GIGANTE acordou

Quando estava na Espanha (no ano passado), ouvi por várias vezes “O Brasil é gigante!”. Me doía ter que responder que, apesar do gigantismo, meu país permanecia apenas “deitado em berço esplêndido”, sendo feito de trouxa – e o que é pior, se permitindo viver tal papel de tolo.

Até que tudo começou. Os R$0,20 centavos encheram o balde da paciência dos brasileiros. A última gota. Bastou esse gatilho para uns saírem às ruas de São Paulo e outras cidades seguirem o exemplo. Não vou ficar me alongando nessa parte porque a contextualização é desnecessária.

Este post é, na verdade, um relato do que eu vivi ontem. De como foi me envolver e fazer parte de uma nação que se cansou.

Conforme eu disse aqui, a Marcha em Apoio à Revolta do Vinagre (ou, como usamos, o #MudaFoz) começou no Terminal de Transporte Urbano de Foz do Iguaçu. No Facebook, mais de quatro mil pessoas confirmadas. Pensei comigo: “Se 500 aparecerem, vai ser muito“. Para a minha total surpresa, foram mais de dois mil participantes. Ao ver a multidão no ponto inicial da marcha, estremeci num misto de alegria com orgulho.

Primeiros manifestantes em frente ao Terminal de Transporte Urbano de Foz do Iguaçu (foto tirada pelo celular)

Quando o sinal fechava, protestantes iam para a rua. Com boa organização e ajuda da Polícia Militar e
Guarda Municipal, sem confusões.

Eu estava com a câmera fotográfica nas mãos, a trabalho. Mas, lá pelas tantas, meu colega pediu a máquina e eu fiquei livre. Quando dei por mim, estava no meio do mar de gente, gritando “Vem pra rua!” com toda a força que eu tinha, convocando mais iguaçuenses a fazerem parte daquilo. Ainda no começo do percurso, em uma curva, olhei para trás e vi um rastro de gente. Novamente, meu coração palpitou com mais força.

Olhei pra trás e não conseguia ver o fim da marcha.

“Vem pra rua!”

Ao chegar na Avenida Brasil, principal via comercial da cidade, vi pessoas nas janelas e fora das lojas aplaudindo, fotografando, filmando, gritando, cantando. Minha garganta já não aguentava mais berros, mas eu nem queria saber. Ainda mais quando começamos a entoar “Eu sou brasileiro com muito orgulho, com muito amor“. Pela terceira vez, em cerca de meia hora, eu tive vontade de chorar.

“Eu sou brasileiro com muito orgulho, com muito amor”

Avenida Brasil foi totalmente “preenchida” pela manifestação

Levamos cerca de uma hora para fazer um percurso de dois quilômetros, no máximo. Vi gente de todas as idades segurando cartazes, usando narizes de palhaço, fazendo barulho com tambores, apitos e vozes e vestidos com a bandeira nacional. Me arrependi por não ter levado coisa alguma… Mas, estava lá! Me sentindo mais brasileira do que nunca. E essa sensação só aumentou quando, ainda que tímida, a passeata foi embalada pelo hino. “Conseguimos conquistar com braço forte (…) Pátria AMADA, Brasil“.

Para encerrar, assim que chegamos a Praça da Paz, voltamos a cantar que somos brasileiros, com muito orgulho, com muito amor. Eu estava tão no fervo para tentar registrar aquilo que saí correndo, subi numa árvore e fiquei observando, totalmente encantada, aquelas pessoas fazerem parte do início da mudança. Nessa hora, eu não consegui cantar. Eu só apreciei e ouvi, apoiada nos galhos daquela goiabeira.

Sim, eu sei que a foto está péssima. Mas eu nem reparei na hora que ficou assim…
Agora sim! Foto por Rafael Guimarães (Clickfoz)

Praça da Paz em outro ângulo. Foto por Marcos Labanca.

O Brasil acordou. O GIGANTE, aquele que eu lamentava ver acomodado, enfim se pôs em pé. Queremos mais que futebol. Não queremos mais ser apenas o país do Carnaval. Reivindicamos o desenvolvimento e direitos que não deveriam nunca ter sido negligenciados. Saúde, educação, segurança, uma vida digna e plena de respeito por quem escolhemos para tomar conta da nação.

Este, senhores governantes, é o valor do nosso voto. Não os colocamos em vossos tronos de graça. Isso – ao que parece – acabou (graças a Deus!).


Foz do Iguaçu volta às ruas neste sábado, 22 de junho, às 18h (novamente, saindo do TTU).
Foz

#MudaFoz

Não sou muito fã de causar polêmica, mas visto o momento que estamos vivendo, não dá pra fugir disso. Não sou filiada a nenhum partido político, não sou militante e pouco importa a minha classe social: Sou brasileira e, como tantos outros compatriotas, cansei de ver o Brasil ser feito de bobo. Acordamos, enfim.

Hoje, 17 de junho, vai bombar. Aliás, na internet, os movimentos já estão avançados. No fim desta tarde, às 17h 30min, chegou a hora de Foz do Iguaçu se mobilizar.

A ideia não é só mostrar apoio às manifestações em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e tantas outras cidades, mas fazer barulho contra os abusos que sofremos em atmosfera local também – falta de estrutura na cidade, mais buracos que asfalto nas ruas, saúde precária, falta de segurança, preço abusivo no transporte coletivo (redução de R$0,05 não ameniza a situação), etc.

A Marcha em Apoio à Revolta do Vinagre começa em frente ao Terminal de Transporte Urbano, com caminhada (pacífica) até à Praça da Paz.

A intenção não é fazer baderna. Se você está pensando em ir só para fazer bagunça, faça um favor à causa e não apareça.

Instruções (retiradas do evento criado no Facebook):

1- NÃO LEVAR ARMAS ou outro material que possa ferir alguém (como coquetel molotov, fogos de artificio, etc), é lógico que este é um protesto pacífico;
2- NÃO DEPREDE A CIDADE, precisa explicar o motivo?;
3- NÃO LEVAR SUBSTÂNCIAS ILEGAIS, para evitar problemas;
4- EVITE UTILIZAR ROUPAS OU BANDEIRAS PARTIDÁRIAS, como já discutido, esta é uma marcha apartidária;
5- LEVE ALGO PARA FAZER BARULHO, apitos, panelas, instrumentos musicais, etc…
6- NÃO SUJE A CIDADE, queremos que depois da marcha, possamos receber uma avaliação positiva da população;

Dá pra ajudar mesmo sem ir à marcha:
1 – Se morar nos entornos das manifestações, abra seu Wi-Fi. O uso de 3G na região provavelmente ficará congestionado e isso pode dificultar o upload de conteúdo pelos manifestantes.
2 – Se estiver realmente muito perto, vale tentar produzir conteúdo filmando da janela.
3 – Se quiser apoiar os manifestantes, um pano branco ou uma bandeira do Brasil na janela na janela vão funcionar: são esses os símbolos que estão espalhados pela internet como apoio de quem vai ficar em casa.
Até mais tarde!

ATUALIZAÇÃO: Tumblr colaborativo #VemPraRuaFoz

Textos

A doce loucura da Clarice

Estava aqui ouvindo Clarice Falcão,  a nova queridinha da música brasileira, e me perguntei: Como ela conseguiu fazer sucesso tão rápido?

Eu adoro, mas convenhamos: Ela não tem uma voz linda e potente. Não é pela genialidade harmônica, já que as músicas não tem mais de quatro acordes bem básicos (Dó, Sol, Ré, Mi menor, às vezes um Fá sustenido).


O que é que ela tem, afinal?

As letras. Ela dá um tom doce à loucura passional.

Aqueles fatos que facilmente virariam manchetes de jornais sensacionalistas, ela poetisa. E a gente canta com toda força dos pulmões e dedica a quem a gente gosta. Isso porque, lá no fundo, somos atores constantes desses pequenos atos insanos do amor.

Ô sentimento pra botar a gente num estado mental instável. Amor tira a gente do sério e da razão. Traz o nosso louco à tona. Faz a gente grudar na pessoa (às vezes demais). Tornamos a criatura em inspiração para absolutamente tudo. E isso pode ser meio assustador se formos parar para pensar: Como ficamos bobos e dependentes, mesmo sem querer.

Mas, quer saber? Sejamos louco por alguém, sim. Porque é uma delícia… Só não vale “enlouquecer”. Gente enlouquecida é Macaé

Acho que, pensando bem, é melhor seguir o conselho da própria Clarice: comer uma torta inteira de amora pro jantar e parar por aí.

Receitas

Gordice de Leitora – Bolo de Cenoura

*Por Mayara Godoy

Gordice boa rende não apenas calorias, mas também muitas fotos e, no caso de exímias cozinheiras tecnológicas como nós, receitas no blog. Como o meu (Uma Segunda Qualquer) não tem muito este foco (na verdade, não tem foco algum), aproveito o espaço aqui no Cereja para compartilhar uma receitinha maraviwonderful com vocês.

Bolo de cenoura é um tabu pra muita gente, mas a minha receita é tão fácil que vocês nem vão acreditar! E é de dar inveja até na Ana Maria Braga. Então, vamos lá!

Você vai precisar de:

– 3 cenouras grandes (ou 4, se forem pequenas)
– 3 ovos
– 250 ml de óleo
– 2 copos de farinha de trigo
– 2 copos de açúcar
– 1 colher de fermento

Modo de preparo 

(tempo estimado: 30 minutos)

Antes de qualquer coisa, pré-aqueça o forno a temperatura baixa (180°C) e unte uma forma média. Depois, junte a farinha de trigo, o açúcar e o fermento em uma tigela e reserve (foto 1). Para esta receita, eu uso copos de 300 ml – a mesma medida vale para a farinha e para o açúcar.

Depois, descasque as cenouras e pique em rodelas (foto 2). Não precisa caprichar muito, pode picar meio grosso, afinal, o liquidificador fará o trabalho difícil.

Junte a cenoura, os ovos e o óleo e bata no liquidificador até a mistura ficar bem homogênea. Comece pulsando, depois deixe bater por algum tempo.

Ao terminar, adicione o líquido à mistura na tigela (foto 3). Você vai misturar com uma colher grande mesmo, não precisa de batedeira. Vá misturando até que a massa fique lisa e homogênea (sempre quis falar assim!).

Quando a massa estiver bem linda (foto 4), enforme e mande para o forno.

Em uma temperatura média (250°C aproximadamente), vai demorar de 35 a 40 minutos para assar – tudo depende do seu fogão estar bem regulado, claro.

Depois, é só fazer uma cobertura ao seu gosto e arrasar!

Parecer da Cerejeira: Aprovado, minha gente. A-PRO-VA-DO!
Textos

Mal amados?

Dia dos Namorados. Data em que o amor escorre aos litros. Infelizmente, esse não é o único sentimento que sobra nas pessoas hoje. Há, ainda, a inveja, a dor de cotovelo, o tal do recalque.


Gente, pra quê?

A explicação que ouço é que Fulana e Beltrano foram “mal amados”. Sou contra essa expressão. Se é amor, não há de ser mal (nem mau).

Ei, não é porque acabou que não deu certo. Deu, sim – pelo tempo que ficaram juntos. Só não era pra ser definitivo.

Se você foi amado, comemore, pois você desfrutou da sensação mais saborosa que Deus nos permitiu ter nessa Terra. E você sabe disso. Sabe que o amor é o chocolate com pimenta dos sentimentos. E essa mistura de sabores é a delícia dos relacionamentos.

Não seja egoísta. Por que só você deveria provar isso? Por que é ruim que o mundo continue devorando o amor e se lambuzando dele? Não seja assim…

Se você está sem a sua porção agora, paciência. Há outras sensações por aí para serem vividas. Há outros tipos de amores. Viva-os com a mesma sagacidade.

Caçamos alguém para amar. Vamos minados com todas as armas e laços possíveis para tentar agarrar o amor. Aquieta o coração. Quando é amor, não precisa ser laçado: ele vai ficar por livre e espontânea vontade, sem correntes ou grades. Vai ficar porque quer. Porque escolheu. Já parou para pensar como é maravilhoso isso?

Você aí, com todos os seus defeitos, manias e loucuras, e alguém opta por não te soltar mais. Não, não é “apesar disso tudo, ele vai ficar”. É “por causa disso tudo, ele vai ficar”. São as nossas imperfeições que encantam, não o padrão e a mesmice.

É aquela gargalhada escandalosa que ele adora. É o fato de ele se vestir num estilo único que ela acha engraçado. É ela não saber dançar que ele acha gracioso. É ele queimar o jantar romântico que ela acha fofo.

Até entendo a inveja disso tudo. Mas, repito: calma. Uma hora (a qualquer hora) ela será substituída e você nem vai lembrar que ficou compartilhando piadinhas sobre amor durante o 12 de junho.

Um dia, meu amigo, o alvo das piadas será você e você nem vai ligar, porque o que você vai sentir servirá como escudo contra qualquer “recalque” que tentar te atingir.

Feliz Dia dos Namorados, seus lindos.

Blogosfera

Cereja na Foto

Eu acho admirável quando alguém se dedica em realizar um sonho. E digo “se dedicar” mesmo. Fazer escolhas, opções, abrir mão. Isso requer muita coragem e, por isso, merece o meu parabéns.

Por que estou dizendo isso? Porque ontem tive o imenso prazer de ser parte de um sonho de uma amiga. Aliás, agora já é projeto concreto.

Fabiana Copetti resolveu seguir o coração e se aventurar no mundo da fotografia. Ainda iniciante, mas já com um belíssimo olhar para a fotografia, fomos fazer um ensaio na Pousada Sonho Meu, aqui em Foz do Iguaçu.

Fotos das fotos! Só pra por no IG.. :}

Não vou mostrar o trabalho todo, mas eu babei nas fotos. Eu não sou lá das mais confortáveis ao ser fotografada (várias vezes vocês me viram dizer que “não sei fazer cara de foto”), mas a Fabi dirigiu bem e me senti a vontade, aí ficou mais fácil.

Adorei a experiência. Foi uma tarde bem divertida e aproveitada.

Veja esse e outros trabalhos da Fabi Copetti aqui (recomendo).

Receitas

Gordice de domingo – Cupcake de Cereja

Não é segredo que eu sou fã de gordices (seja fazer ou comer), por isso, achei justo um presente que ganhei de aniversário: um livro com 200 receitas de cupcakes!

Gracias aos amigos Garon e Ahmed! 

Adorei! Só de olhar a gente já fica com água na boca. Os bolinhos estão distribuídos nas seguintes categorias: Cupcakes para todo dia; Cupcakes de Chocolate; Cupcakes para Crianças; Cupcakes para Adultos; Cupcakes Salgados; Cupcakes para Ocasiões Especiais.

Ontem decidi que era dia de começar a me aventurar e testar algumas receitas. Fiz duas: Cupcake de café com nozes (não sobrou nenhum para eu fotografar, sorry. Um outro dia, talvez) e Cupcake de Cereja.

Olha só a belezura:

Vamos aos ingredientes!

Massa

100g de amêndoas sem pele
100g de manteiga sem sal
100g de açúcar
2 ovos
125g de farinha de trigo
1 cholher (chá) de fermento em pó
100g de cerejas em calda cortadas em quatro

Rende: 12 unidades
Preparo: 20 minutos

Cozimento: 25 minutos

Cobertura

4 colheres (sopa) de geleia de cereja/morango/framboesa (usei essa última)
100g de açúcar
2-3 colheres (chá) de água
6 cerejas frescas sem caroço cortadas ao meio para decorar

Modo de Preparo

1. Escalde as amêndoas em água fervente por 1 minuto. Escorra e seque. Coloque as amêndoas no processador/liquidificador e bata até moer.
2. Transfira as amêndoas para uma tigela e acrescente a manteiga, o açúcar, os ovos, a farinha e o fermento. Bata bem com a batedeira por cerca de 1 minuto, até ficar leve e cremoso.
3. Misture as cerejas em calda e distribua a massa nas forminhas.
4. Asse em forno pré-aquecido a 180°C por 25 minutos, até que cresçam e pareçam firmes ao toque. Tire do forno e deixe esfriar.
5. Espalhe a geleia sobre os cupcakes.
6. Bata o açúcar numa tigela com a água para obter uma cobertura espessa e quase firme. Espalhe sobre a camada de geleia e decore com as metades de cereja.
OBS: Pela foto, percebe-se que eu não fiz essa cobertura de açúcar.

Tcharãn! Cupcake de cereja.  Muito bom e fácil de fazer. Já quero fazer muitos outras receitas desse livro. Descobri que, de fato, cozinhar pode ser terapia. 
Boa segunda-feira a todos e, para os iguaçuenses, bom feriado! #FozDoIguaçu99Anos
Close