Monthly Archives

fevereiro 2014

Textos

Porque eu gosto de você

Moço, tô aqui pra dizer que eu gosto de você.

E se eu tô assumindo isso é porque é coisa séria. Se eu tô correndo o risco de passar por ridícula, é porque meu gostar já é maior que meu medo – e eu sei como isso é coisa rara. Eu sempre fui assombrada por temores gigantes, mas eles parecem tão insignificantes agora pelo simples fato de eu gostar de você.

(Simples é maneira de dizer, tá?)

Continue lendo

Textos

Não se preocupe

Não se preocupe com os dramas dela, rapaz. Vai por mim, eles são passageiros e não representam quem ela é de verdade. Eles são apenas um meio de extravasar o excesso de sentimentos que pulsam naquele coração. Boa parte deles é por você.

Mas não esquenta com isso, não. Veja através disso. Não permita que isso conturbe a sua visão – já basta a dela, embaçada por causa dos olhos marejados. Ela é sensível e ainda não sabe bem como harmonizar tudo que passa pela cabeça. É tarefa difícil, entenda.

Ela é daquelas que acredita que o amor alivia tudo, mesmo nas situações que parecem tornar os dias  intermináveis. É daquelas que acredita que o romance deixa o dia-a-dia intenso mais suave. Daquelas que crê, piamente, que a felicidade está guardada em um abraço no final do dia.

Não se preocupe se ora ela lhe é sorrisos, ora lágrimas. Amor tem dessas confusões bipolares, creio eu.

Quando ela lhe der uma risada, saiba que, para ela, é o melhor riso que ela tem – e o oferece a você como presente. Guardou-o o dia inteiro para que fosse seu. E quando chorar, um simples toque dos seus dedos ao rosto, enxugando-lhe o choro que escorre pela bochecha, vai significar a cura de todos os males do mundo.

Rapaz, não precisa se preocupar com nada disso. Só não lhe parta o coração… Se isso acontecer, os dramas vão acabar, os sorrisos serão meros sorrisos e as lágrimas, ainda mais amargas. Caso isso tudo se torne verdade, aí, então, você pode se preocupar, porque será sinal de que ela desistiu. Não permita que isso aconteça. Acredita em mim, rapaz, porque eu falo sério. E eu não posso fazer nada a não ser avisá-lo disso. O resto do jogo é com você.

Textos

Só de Mim

Ele só quer um pouco da sua atenção, mas não será difícil tê-la por inteiro. Primeiramente, pelo piano. Em seguida, será pelo sotaque português. Depois, será pelas palavras, que provavelmente vão te fazer chorar.

O texto foi escrito em homenagem ao “Valentine’s Day” (Dia dos Namorados em alguns países), comemorado em 14 de fevereiro.

“Aprende que a arritmia que sentes com ela é normal e que a falta dela é um vazio igual a morte”

“Quero que sejas aquilo que eu nunca fui. Espero que a trate bem, porque se lhe partires o coração, vais perdê-la para sempre.
 Pudesse eu ter lido o futuro…”

Textos

Mais uma Dose

O bar tinha poucos gatos pingados tentando a sorte e alguns casais se escondendo nos cantos mais escuros. O copo e os olhos já estavam vazios. Ele olhava fixamente para um ponto no balcão, sem saber o por que.

– Amigo, vai querer mais alguma coisa?

A voz o fez voltar à realidade. Percebeu que tinha um barman a sua frente, ansioso para fechar o bar e voltar para casa.

– Ahm… Me dá mais uma dose de Carolina.
– Tem certeza? Se me permite a sugestão, acho que Fernanda ia te fazer bem.
– É?
– Sim. E, sinceramente? Você já teve Carolinas demais por hoje.
– E Amanda? Tem?
– Não, está em falta.
– Puxa… Então, me dá a sua melhor dose de Gabriela.
– Cara, perdeu por pouco. Aquele ali acabou de tomar a última. Mas tem Rebeca, são bem parecidas. Quer experimentar?

Ele pensou um pouco. Sabia o que queria. Sabia de qual gosto sentia falta.

– Não. Eu vou querer a Adriana.
– Hum… Fazia tempo que você não pedia uma dessa. Velhos costumes?
– Pois é… Deu vontade.
– Sei como é. Saindo!

Enquanto o homem preparava a bebida, ele ficou ali se perguntando se
aquela teria sido boa ideia. Ele sabia que saía de si quando tinha
Adriana: Subia na mesa, fazia juras de amor, ficava ciumento. Mas ela
era tão… tão… tão certa! O paladar e todo o corpo dele se excitavam quando a bebia. Ela era encorpada na medida que ele gostava e, ainda assim, leve.

– Aqui está.


Adriana já era convidativa pelos detalhes em dourado que tinha no tom. Ele não sabia definir a cor exata, mas era linda só de ver. Por mais ansioso que estivesse, ele prorrogou o primeiro gole. Preferiu segurá-la por um momento e admirá-la. Sentir o cheiro. Ah, o cheiro… Esse perfume lhe causava êxtase.

Passados esses minutos, tomou. Bebericou. Brincou com ela na boca. Saboreou como há tempos não fazia. Aquele copo demorou para ser esvaziado. E, quando enfim acabou, ele queria mais. Tentou conversar com o barman, mas já não era mais possível – o bar estava fechado.

– Então, amanhã eu volto. E, faz um favor? – Alcançou uma nota escondida entre os dedos para o homem do outro lado do balcão – Não deixa ninguém tomá-la. Essa é minha. E eu quero me embebedar todas as noites dela. 
– Combinado, patrão.

E saiu assoviando pela rua, gritando amor a plenos pulmões, sentindo Adriana ainda fresca no hálito e pulsando nas veias.

Textos

Efeito Colateral

Não sei não te poetizar. Sei lá, acho que é uma das reações inexplicáveis que você me causa… Um dos efeitos colaterais que me dá. Você também me faz querer dançar, mesmo tendo a plena noção de que tenho dois pés esquerdos.

Você também me faz querer cozinhar. Sabe aquela velha história de esperar com jantar pronto? É isso. Mas, apesar da vontade, prefiro não arriscar, porque eu sei que eu iria salgar demais a comida ou queimar algo no forno. Melhor pedirmos pizza.

Outra coisa engraçada que acontece: Você consegue me fazer desenterrar conhecimentos sobre arte que eu nem lembrava mais. Sei lá da onde me surgiu a memória de que Cândido Portinari só usava tinta óleo – e que isso acabou sendo a causa da morte do pintor.

Você não me faz esquecer o que já aconteceu comigo, mas me faz superar cada lembrança ruim. Me faz acreditar que algo melhor realmente nos aguarda depois de cada decepção e erros. Faz eu querer de novo algo do qual eu já tinha desistido.

Mas, o melhor efeito que você tem sobre mim é que eu tenho vontade de ser eu mesma, ainda que isso signifique te mostrar a bagunça que sou e a insegurança que trago nos ombros. Faz eu acreditar que é desse jeito que era pra ser. Mesmo tendo tantos desencaixes e imperfeições, é isso que temos para hoje – graças a Deus.

ETC

Te Carrego

*Texto publicado originalmente no Entre Todas as Coisas!

Para ler ouvindo: My Fight (For you)

Você ainda não sabe, mas… Bom, vou falar sem rodeio: Eu ainda te carrego na mochila. É, é, eu sei que deveria ter te devolvido por inteiro, mas não deu. Desculpa! Eu simplesmente não consegui abrir mão desses seus pequenos fragmentos.

Não uso sempre, só em casos de emergência. Diferente do que fiz quando o tinha por completo, não desperdiço essas pequenas porções. São tudo o que me resta de você: Um pouco do seu jeito de falar, aquela gíria que você usava sempre, a sua mania de morder o dedo quando o sinal está fechado e um gosto inexplicável por aquela banda alemã.

Te carrego seguro. Não quero perder essas doses, até porque não sei quanto tempo elas irão durar. Dias atrás, ainda tinha uma porção de “ordem correta para lavar a louça”. Quando percebi, não comecei pelos talheres – o que era totalmente contra a sua regra. Aquele montante acabou.

Ah, e já que estou aqui confessando, tem mais uma coisa… Aquele nosso sonho também ficou comigo. Está no fundo, para eu não correr o risco de usá-lo na primeira oportunidade, num desespero momentâneo. Ele é único e, portanto, devo ter cautela. Pensar bem antes de tirá-lo do fundo da mochila e trazê-lo à tona.

Desculpa se fiquei com coisas demais e devolvi de menos. Mas, você também ficou com partes de mim. E, na real? Pode ficar, não as quero de volta. Mas também peço que não me desperdice. Não me use mal. Não me use sempre, porque até o pra sempre termina. O nosso acabou… E só nos sobraram pedaços do que, um dia, foi eterno.

 

Textos

Dicas de Leitura da Cerejeira

Já diziam minhas professoras: “Para escrever, tem que ler”. E eu repito esse conselho como mantra. Comecei com os romances do Sidney Sheldon, para os poemas do Carlos Drummond e Elisa Lucinda às crônicas cômicas do Luis Fernando Veríssimo.

E, sendo a era digital, tenho meus sites e blogs literários favoritos também. Então, separei a listinha de sites que me inspiram e servem como exercício diário para mim.

1. Entre Todas as Coisas
De Daniel Bovolento, sou fã do blog antes mesmo de ser colaboradora. Um texto que me marcou muito foi “A Primeira Vez“, talvez o primeiro que eu tenha lido. Mais recentemente, “Quando o Amor Acabou” também foi certeiro. Indico muito mesmo a leitura.

2. Casal Sem Vergonha
Apesar do nome, o site Casal Sem Vergonha bota a gente pra pensar muito sobre relacionamentos e amor. Um dos meus favoritos foi o “Existe Cura para o Romantismo?“.

3. Ivan Martins
Ele é colunista da revista Época. Toda quarta-feira, vou lá conferir o que ele tem de novo. De longe, os textos de que mais gosto são “Os Amores Difusos” e “Trago o Amor de Volta“.

4. Entenda os Homens
Além das crônicas, o pessoal do EOH traz sugestões de filmes, livros e músicas, enquetes, vídeos e mais. Gosto muito do “Dizer eu-te-amo é pouco” e do “Driblando o Efeito Borboleta, ou, Destino“, mas, para mim, o melhor é “Crônica de um Amor Cotidiano“.

 

5. Uma Segunda Qualquer
Não é (só) porque é minha amiga que a Mayara Godoy está nessa lista. Basta acessar o blog para perceber que o lugar nessas minhas indicações é merecido. Recomendo todo, mas eu amei “Monstros” e “Há Vagas“.

6. Garon Piceli
Seguindo o exemplo da Mayara, esse meu amigo também está aqui porque escreve muitíssimo bem. O Garon tem uma delicadeza nos textos que só ele tem. Adoro. De todos os posts, os meus favoritos são “Deus não está sendo sensato contando os segundos quando estamos juntos” e “Quem vai querer um dragão caindo aos pedaços?

7. The Bro Code
Descobri faz poucos dias esse site. Quando li o texto, já imaginei algo totalmente diferente. Talvez algo mais de humor, já que “The Bro Code” é uma das famosas frases de Barney Stinson, do seriado “How I Met Your Mother”. Em todo caso, cliquei e vi que não podia estar mais equivocada. O blog traz textos com uma  extremamente sincera. Gostei bastante. Indico que comecem por “Idas e Vindas“.

8. Revista Bula
Não sei indicar qual dos colunistas é melhor, portanto, indico a seção inteira. Comecei lendo “Conversa à toa sobre o começo, o meio e o fim do amor” e já foi suficiente para adicionar o site à lista de leituras diárias. Outro texto igualmente recomendável é “Crescer é aprender a dizer adeus para certas coisas“.

É isso! E vocês? Tem algum site para indicar?

Close