Depois dos últimos dias correndo feito louca por causa do projeto da Tequila Alacrán, o curso terminou e chegou a hora de aproveitar o restinho da viagem. Saí hoje de manhã de Madrid e vim para Paris.
Oh la la…
Do aeroporto Charles de Gaulle até o hotel foi mais ou menos uma hora, bem longe. O trânsito aqui é bem louco, tipo Foz, só que com muito mais carro. Mas onde estou é tranquilo. Estou perto da Universidade de Sorbonne, então aqui é cheio de jovens, bares e restaurantes, além de ser uma área bastante residencial.
Aqui, os horários para comer são como os do Brasil. Cheguei as 14h, então, sem almoço para mim. Larguei as coisas no quarto (por sinal, o hotel Cardinal é uma graça!) e saí caminhar. O mais esperado seria chegar e ir a Torre Eiffel, mas está muito longe de onde eu fico e queria esticar as pernas um pouco, então, fui até a Notre-Dame.
Catedral Notre-Dame e rio Sena

Para chegar até a catedral, caminhei cerca de uns 20 minutos e fui me apaixonando por Paris. Aliás, essa é a palavra chave da cidade: Apaixonante. Vai soar meio bobo, mas eu me emocionei enquanto caminhava… “Estou em Paris!“, esse tipo de coisa.

Peguei uma rua chama Rue de Mouffetard. Uma delícia andar por ali! Tem um trecho que é só para pedestres e dos dois lados tem muitas, mas muitas tentações gastronômicas. Não sei como, mas eu resisti a todas. Rá!
E então cheguei à igreja. A princípio ia ficar só por fora, olhando, porque tinha muita gente na fila. Mas estava indo rápido, então pensei: “Ahh, por que não?!”

A entrada é gratuita e é bonito lá dentro. Sinceramente, nada “fenomenal”, mas bonito. O que valeu a pena mesmo foi subir até a torre! Paguei 8,50 e tive uma vista incrível da Cidade Luz!

Um dos amigos do Quasimodo e a vista incrível que ele tem.

Desculpem a demora do vídeo… Não sei porque, mas o Youtube tá dando muito erro na hora de fazer o upload e tenho que tentar umas três vezes até que dê certo…

Eis, então, Notre-Dame:




Valeu a pena? Entrar na Notre-Dame só valeu porque foi gratuita.. Se eu tivesse pago, sairia meio frustrada. Já a subida até a torre valeu cada centavo.

Notas:

– Sobre a subida: Não, não tem elevadores. Só em casos de quem necessita, mas se não… é força na perna. E muita força, porque são 400 degraus. Sua perna vai ficar tremendo depois de subir e descer, mas a vista compensa… Juro!
– Se você sofre de tontura, labirintite ou claustrofobia, não recomendo que suba. As escadas em caracol vão ficando cada vez mais estreitas e, principalmente na descida, onde você tem que olhar para baixo por um bom tempo, pode dar vertigem.
– Não há banheiros no percurso. Se precisar, vá antes. E compre uma garrafa de água, porque também não tem.
– A fila vai ser meio grande, inevitavelmente. Os grupos são de 20 pessoas e são liberados a cada 15 minutos aproximadamente.
– Você vai ficar uns 50 minutos entre subir, tirar fotos e descer.
Ou, lembre os passeios de Madrid, Barcelona e Valência.

Comments

comments

Powered by Facebook Comments