Postagem coletiva do grupo Escritores na Era do Compartilhamento, com o tema: “Amores Finitos”.

Você sempre me dizia que nada é para sempre. Repetia que tudo, um dia, termina. Sucumbe. Mas você esqueceu que, para toda regra, há uma exceção. E, neste caso, é você. Sua presença pode não ter ficado, mas você permanece aqui.

Não acredito em amores que se dizem finitos. Para mim, amor é mutante. Vira carinho, saudade e, às vezes (muitas vezes), até dor. Aquela intensidade no peito que te faz querer explodir em lágrimas. Esse é o amor alojado no lado fragilizado do coração. O amor (ainda não amansado) por quem já foi.

Há pessoas que pensamos amar. Fazemos promessas impossíveis, dizemos que amamos “até a lua e de volta”. Juramos que matamos e morremos. Mas depois que elas passam, o que foi dito soa de uma imbecilidade sem tamanho. E é isso. Sem nenhuma palpitação diferente do coração.

Quando é amor, as mesmas promessas fantasiosas perambulam na terra do “E se..?”. E o nosso sorriso, ao nos recordarmos delas, é um misto de bobo com saudade, junto com um olhar nostálgico e com um pensamento: “Poxa, que época boa”. O amor se acomoda em sentimentos parceiros.

Por que estou dizendo tudo isso? Porque hoje tocou uma das nossas músicas em um filme que assistia e eu senti. Não uma dor destruidora, que me fizesse não querer mais sair do sofá. O que eu senti foi o ponto e vírgula que a gente deixou em mim.

Revi nossas noites. Ouvi nossas risadas. Lembrei do seu gosto. Cheirei sua pele. Me afundei no tom de mar dos seus olhos. E foi gostoso… Ri sozinha – e até um pouco envergonhada – por me flagrar curtindo essas velhas sensações novamente, como se você ainda estivesse sentado ao meu lado ou deitado no meu colo.

Então, quebrando a sua teoria de que tudo termina: Amores não são finitos, meu bem. Eles se transformam em memórias.


Postagem coletiva – Leia também
(links serão adicionados aqui conforme forem publicados):

O espelho, por Mariah Alcântara
Nem adianta insistir, por Jeessy Batista
Você não sabe o que é o amor, por Cíntia Gomes

Comments

comments

Powered by Facebook Comments