Tudo que eu queria era você. E ainda quero (muito), mas cheguei ao ponto de querer voltar, amor. Retornar ao início, antes das feridas mais fundas acontecerem. Antes dos erros idiotas e doloridos. Vem comigo? Me segue até lá e a gente recomeça.

Vamos voltar às tardes em que dormíamos no sofá durante um filme e, ao acordar, trocávamos carícias e malícias. Aos dias em que você me roubava beijos enquanto eu tocava violão. Às conversas de madrugadas que nos faziam esquecer de dormir. Vamos demorar nessas partes favoritas.

Eu sei que é impossível manter a paixão inicial para sempre – ou mesmo por um período não tão longo. Mas deixar tudo sucumbir assim, sem tentar recuperar uma parcela do que um dia já foi? Eu me nego a desistir tão fácil. Mas não dá pra fazer sozinha. Por isso, pergunto de novo: Vem comigo ao recomeço?

Ao tempo em que você me dava flores ao invés de desculpas. Ao tempo em que eu me importava se você fosse atrasar para o cinema. Ao tempo em que não tirávamos as mãos um do outro. Ao tempo que sinto saudade…

Vem comigo e vamos reviver. Recomeçar. Reencontrar o que perdemos no caminho – e segurar com as mãos bem firmes para não escapar outra vez. Vamos voltar e refazer a estrada para que, desta vez, não termine em uma bifurcação.

 

Comments

comments

Powered by Facebook Comments