Alerta: este post pode causar irritação.

Nós pegamos o carro (um Ford Focus) na Sixt, em Paris. Nosso destino final era Frankfurt, na Alemanha. No total, passamos por oito cidades: Paris e Colmar, na França; Zurique, na Suíça; Füssen, Augsburg, Rothenburg ob der Tauber, Würzburg e Frankfurt, na Alemanha.

Reveja os posts da Lua-de-mel aqui.

As estradas por onde andamos na Europa parecem um tapete. Na França, pegamos pista dupla em tempo integral, às vezes até com quatro pistas. Caminhões sempre a direita, sem incomodar ninguém com mais pressa.

No primeiro trajeto, de Paris a Colmar (cerca de 490km), pegamos apenas dois pedágios, totalizando 26 euros (e foram os únicos no restante da viagem). E esta é a parte que pode causar irritação, pois lá vem um rápido comparativo: de Foz do Iguaçu a Curitiba, capital do Paraná, são 630km e SETE praças de pedágio, totalizando R$85,60. Pista simples e esburacada a maior parte do tempo.

Na Suíça, apesar de ter sido rápido, porque só paramos em Zurique para almoçar, vimos cenários lindos do tipo A Noviça Rebelde. Curiosamente, lá tem muitos túneis. Um atrás do outro, de 50 a mais de 1km de comprimento.

Os dias colaboraram para as viagens. Frio, mas com sol e sem gelo nas estradas.

Na Alemanha, pegamos dois tipos de estradas: a rota romântica é pista simples – mas a qualidade do asfalto continua indiscutível – e pelas famosas Autobahns, onde não há limite de velocidade para a pista bem da esquerda. Só dava Mercedes, Audi, BMW e Range Rover nos passando a mais de 180 km/h.

Mais perto de Frankfurt, pegamos muitas obras na pista, o que diminuiu um pouco o ritmo da viagem, mas o trecho mais lento era de 80 km/h e sempre em duas ou três pistas. Caminhões religiosamente a direita.

Trecho já em pista simples na Alemanha. O asfalto nunca perdeu a qualidade. Sempre um tapete.

O nosso carro lá era a diesel. No total, a nossa viagem deu mais de 1500 km (1420 de estrada + o que rodamos dentro das cidades) e gastamos apenas 66 euros com combustível.

Nosso Ford Focus, apelidado carinhosamente de “Marie”.

Viajar de carro é muito, muito gostoso. O maridón não é muito fã de dirigir, mas lá, ele pegou gosto pela coisa e curtiu muito. As estradas, como eu já disse, são ótimas, os cenários são lindos e o carro era sensacional. Liga o rádio e pé na estrada!


FOTOS: Todas as fotos desse post foram tiradas por mim (celular Zenfone 2 e GoPro Hero 4)

Comments

comments

Powered by Facebook Comments